Programa “Acolher com Serenidade” traz amor a acompanhantes de pacientes oncológicos

Acompanhar uma pessoa doente durante o seu tratamento não é nada fácil. Quando se trata de um paciente oncológico a situação muda de figura, porque o medo da morte é muito grande. Pacientes com câncer que são atendidos pela Santa Casa de Misericórdia de Sorocaba normalmente fazem quimioterapia e cada sessão pode durar até seis horas.

Pensando em oferecer acolhimento a esses acompanhantes de pacientes, Vanderlei Simão de Oliveira, supervisor da Hospitalidade da Santa Casa, se reuniu com outros profissionais que trabalham no setor de Oncologia, e criou o programa “Acolher com Serenidade”, que são encontros que acontecem as quintas-feiras no período da manhã no Hospital.

Conforme a Terapeuta Ocupacional Juliana Navarro, sempre são realizadas diversas atividades com os pacientes para tirar o foco do tratamento, já que cada um passa pelo menos três horas fazendo a quimioterapia e muito chegam de ambulância de cidades da região, retornando ao seu município somente no final da tarde.

Quando os pacientes estão fazendo a quimio, participam de jogos, fazem atividades artesanais, relata Juliana, sendo que muitas atividades liberam o lado emocional. Neste momento entra o trabalho da Jéssica que faz uma escuta terapêutica pontual. A Santa Casa também oferece consulta clínica uma vez por semana aos pacientes.

Os pacientes oncológicos no Hospital recebem atendimento de uma equipe multidisciplinar que conta com psicólogos, dentistas, sendo realizada uma terapia integrativa, comenta a psicóloga Jéssica Dassi, afirmando que, apesar de ter sido realizada poucas sessões, a aceitação do Programa “Acolher com Serenidade” tem sido ótima e superado as expectativas. Mateus Henrique de Carvalho Silveira, também faz parte da equipe dando suporte aos acompanhantes e pacientes.

 

 

Auto-estima

 

É muito importante o paciente oncológico manter a sua auto-estima elevada, porque a palavra câncer já causa medo e para pessoas menos informadas, significa a morte. Isso também afeta o acompanhante do paciente que vai estar junto durante todo o processo, que é doloroso.

A maioria dos pacientes que passam pela quimioterapia tem queda de cabelo. Terão medo de se olhar no espelho e observam as pessoas olharem com piedade. Esses fatos são significativos para pacientes e acompanhantes.

Durante o Programa “Acolher com Amor” os acompanhantes trocam experiências, mas, acima de tudo, desabafam e soltam suas emoções, que muitas vezes estão segurando há tempos.

 

Circulo restaurativo

Oliveira tenta implantar no Programa “Acolher com Amor” o chamado ciclo restaurativo que é uma maneira de se resolver conflitos sem agressão e é muito utilizado pelo Judiciário. O acompanhante passa por uma rotina muito exaustiva e acabam se esquecendo dele mesmo.

O importante do Programa “Acolher com Serenidade” é principalmente ouvir e ser ouvido. Trocar emoções e entender que este é um ciclo que vai passar.